Esta página web usa cookies para que possas desfrutar de uma ótima experiência de usuário e para que possamos entender como usas a web. Se consentes o uso de cookies para esta página web, continua a navegar com normalidade. Podes encontrar mais informação sobre as cookies que usamos e configurar o seu uso visitando a nossa página de configuração de cookies.

Blog

Tudo o que necessitas saber sobre o goalball

goalball

Neste post vamos falar sobre o goalball, um desporto paralímpico que conta cada vez com mais adeptos. 

O que é o goalball?

O goalball é o único desporto paralímpico específico para pessoas invisuais. A sua origem remonta ao ano de 1946 depois da Segunda Guerra Mundial e foi criado pelo austríaco Seep Reindl e pelo alemão Hans Lorenzen.

Entre ambos idealizaram este desporto com a finalidade de reabilitar os soldados veteranos que ficassem cegos depois de terem sido feridos, de forma a melhorar as suas qualidades físicas, a sua concentração e ajudá-los a melhorar a audição, a qual seria vital nesta nova condição. 

Como se joga ao goalball?

As regras do goalball são muito simples e são as seguintes:

  • Cada equipa de goalball é composta por três jogadores e três suplentes. Os jogadores situam-se em frente duma baliza que mede 9 metros de comprimento e 1,3 metros de altura. O objetivo do jogo é tentar introduzir a bola na baliza contrária. A bola deve ser lançada junto ao solo, não é permitido que salte. 
  • Qualquer dos três jogadores que compõem a equipa podem tentar marcar golo. De igual modo, qualquer deles pode parar a bola e evitar assim um ponto da equipa contrária. 
  • A bola tem o tamanho duma bola de basquetbol e pesa 1,250 kg e dentro dela estão guizos para que os jogadores possam guiar-se pelo ouvido e consigam pará-la. 
  • O terreno de jogo é um retângulo com 18 metros de comprimento e 9 de largura e as linhas do campo têm relevo para quedos jogadores possam saber a sua posição dentro do mesmo. 
  • Os jogos duram 24 minutos divididos em duas partes de 12 cada uma. O descanso estabelecido é de três minutos. 
  • Cada equipa pode realizar um máximo de 4 substituições por jogo. Uma delas deve realizar-se durante a primeira metade do encontro ou já não se poderá utilizar. 
  • As equipas podem pedir 4 tempos mortos durante o jogo para realizar ajustes táticos. Tal como as substituições, um deles deve ser pedido na primeira parte do jogo. 
  • O jogo está regulado por um árbitro que conta com a ajuda da mesa de anotação e dos cronometradores. 
  • Por último, todos os jogadores usam uma máscara a tapar os olhos já que este é um desporto praticado também por pessoas de visibilidade reduzida e, deste modo, todos os participantes estarão em igualdade de condições. 

Depois de conheceremos a regras do goalball vamos agora falar-te da inclusão desta modalidade desportiva nos Jogos Paralímpicos. 

O goalball nos Jogos Paralímpicos

Nos Jogos Paralímpicos de 1972 em Heidelberg (Alemanha) o goalball foi introduzido como desporto de exibição, e só debutou oficialmente quatro anos mais tarde nos Jogos Paralímpicos de Toronto em 1976.

A categoria feminina só fez a sua aparição nos Jogos Paralímpicos de Nova Iorque em 1984. 

Neste intervalo, mais precisamente em 1981 criou-se em Paris a IBSA, a Associação Internacional de Desportos para Cegos. Esta associação criou um comité para a regulação do goalball. Deste modo as regras ficaram unificadas e pode começar-se a treinar árbitros com a finalidade de regular os jogos. 

Voltando a Toronto (1976), na competição de goalball participaram 8 países. O campeão foi Áustria, a medalha de prata foi para Alememanha Federal e a de bronze para a Dinamarca. 

Quatro anos mais tarde este desporto consolidou-se e em Arnhem 1980 o número de participantes ascendeu a 13. A medalha de ouro foi para a Alemanha Federal que venceu os Estados Unidos na final. A Holanda teve de se conformar com o bronze. 

Em 1984, como já comentamos, a seleção feminina debutou no goalball. Os anfitriões, os Estados Unidos, arrecadaram a vitória tanto na categoria feminina como na masculina.

Em Seul 1988 participaram 15 equipas na categoria masculina e 7 na feminina. Os vencedores foram a Jugoslávia e a Dinamarca, respetivamente, ambas as seleções derrotaram na final o conjunto americano. 

Nos Jogos Paralímpicos de Barcelona 92, o número de participantes no torneio masculino reduziu-se a 12, saindo vencedora a seleção italiana. Na categoria feminina venceu a Finlândia. 

Quatro anos depois em Atlanta os campeões foram a Alemnaha na categoria feminina e a Finlandia na masculina. O número de participamtes foi o mesmo que em Barcelona, 12 seleções masculinas e 8 femininas. O maior êxito do goalball masculino espanhol foi a medalha de bronze obtida nestas Paraolímpiadas.

Chegamos ao ano 2000, a Sidney. O sistema de competição foi o mesmo que nas duas edições anteriores. O Canadá conseguiu ganhar a medalha de ouro na categoria feminina depois de vencer a Espanha na que foi até agora a melhor participação da seleção feminina de goalball. Por outro lado, a Dinamarca ganhou na competição masculina.

Em Atenas 2004, o Canadá conseguiu repetir a vitória obtida quatro anos antes em Sidney enquanto na categoria masculina os dinamarqueses também repetiram o título. 

Nos Jogos Paralímpicos de Pequin, a organizadora, China, conseguiu o ouro na prova masculina e os Estados Unidos conseguiu o segundo ouro com a seleção feminina. 

Chegamos a 2012, a Londres, onde os vencedores foram os finlandeses e as japonesas nas respetivas categorias. 

Nos últimos Jogos Olímpicos celebrados no Rio de Janeiro em 2016, os vencedores foram duas seleções inesperadas: a Lituânia na categoria masculina e a Turquia na feminina.

Para finalizar, ainda que Portugal não seja uma potência mundial neste desporto, que como pudeste ver está dominado pelos países escandinavos e por algumas seleções norte americanas, o nosso país é um participante destacado nos campeonatos europeus e do mundo e também conta com um campeonato nacional potente e muito bem organizado.

Virgin Active
#AlwaysDiscovering

Comentários ()