Esta página web usa cookies para que possas desfrutar de uma ótima experiência de usuário e para que possamos entender como usas a web. Se consentes o uso de cookies para esta página web, continua a navegar com normalidade. Podes encontrar mais informação sobre as cookies que usamos e configurar o seu uso visitando a nossa página de configuração de cookies.

Blog

Gadgets desportivos: pulsómetros sem banda peitoral

pulsómetro

A forma como entendemos o desporto evoluiu muito nos últimos tempos, a tecnologia ganhou um espaço nos procedimentos com os quais medimos os nossos resultados até um ponto em que é difícil ver alguém sem um destes gadgets para fazer desporto, seja um relógio desportivo, um conta quilómetros ou simplesmente com um telemóvel com aplicações para realizar atividade física. 

São muitos os dados que este tipo de dispositivos nos oferecem; se falamos de correr, entre os dados mais relevantes está a distância, o ritmo (no caso da bicicleta, falaríamos da velocidade), o pulso e, como é lógico, a distância percorrida. 

Porque devemos saber o nosso pulso

Provavelmente, um dos dados de maior importância e que mais te pode ajudar a evoluir como desportista é conheceres o teu pulso ou frequência cardíaca. O pulso é um dos dados mais importantes enquanto realizas atividade física, seja no ginásio ou durante sessões de exercício no exterior como correr ou andar de bicicleta. 

O pulso depende muito de outros fatores, como a idade, a forma, a constituição física e o ritmo cardíaco que tenhas. Por isso não se pode falar de forma genérica, e sim que cada um de nós deve estabelecer limites de forma pessoais. 

Uma vez que conheças as características do teu ritmo cardíaco, poderás estabelecer os teus limites e assim realizar atividades com melhor qualidade. 

Grandes avanços em tecnologia

Tal como mencionámos na introdução, este tipo de gadgets de desporto evolui cada dia a passos gigantescos; por exemplo, no caso da medição da frequência cardíaca os últimos modelos já não usam a incómoda banda peitoral

Para trás ficam os velhos pulsómetros

Nos primeiros modelos de pulsómetros, a banda peitoral era imprescindível se querias saber a tua frequência cardíaca, mas para muitos tornava-se muito incómoda, já que provocava roçaduras tanto no peito como na zona do fecho, o que se traduzia num grande incómodo enquanto se realizava a atividade física. Hoje em dia já existe no mercado uma grande variedade de relógios desportivos com pulsómetro integrado, que realizam a medição através do punho.

Pulsómetros óticos 

A medição do pulso realiza-se através de um sensor ótico situado na parte posterior do relógio que está em contato com o pulso. Este sensor o que faz é medir a quantidade de sangue bombeada graças à luz emitida por uns leds, e mediante um processo complexo de cálculo determina a nossa frequência cardíaca. 

Cuidado com os possíveis erros

Uma vez que a medição se realiza ao estar em contato com a nossa pele, é importante que ajustes o relógio o máximo possível (mas não exageres, senão cortas a circulação) e por cima do osso do punho, desta forma evitarás demasiado movimento no dispositivo e obterás resultados mais fiáveis.

Apesar da tecnologia estar a evoluir muito, há aspetos que deves valorizar na altura de comprares um pulsómetro com sensor ótico integrado, por exemplo, se tens a pele escura, tatuagens ou muitos pelos no braço. Estes são alguns dos casos em que se verificaram problemas na altura da medição, uma vez que absorvem uma maior quantidade de luz e podem causar erros na medição.

Outro caso onde podemos encontrar erros neste tipo de sensores em situações de muito frio, já que estes podem não funcionar corretamente até passado um tempo do começo da atividade. 

Gadgets com pulsómetro: banda peitoral vs pulsómetro integrado

Vamos agora avaliar os aspetos positivos e negativos em comparação com as clássicas bandas peitorais. 

  • Comodidade: um dos aspetos que faz triunfar este tipo de pulsómetro óticos é a sua comodidade em comparação com as bandas peitorais. Neste aspeto ganham muito terreno, já que a grande maioria de usuários os acham mais úteis. 

Se praticas triatlo ou natação este tipo de sensor ótico por contato não te servirá, já que ao haver água no meio não poderá realizar a medição. 

Um só dispositivo. No caso das bandas peitorais deverás comprá-las à parte, enquanto os relógios podes levá-los sempre contigo. 

  • Exatidão. Apesar dos sensores óticos oferecerem dados muito fiáveis, podem ter variações entre diferentes usuários devido a fatores como os anteriormente mencionados (tatuagens, tom de pele e demasiados pelos); neste sentido, as bandas oferecem uma maior exatidão nas suas medições

O preço costuma ser algo muito valorizado pela grande maioria de usuários, já que os pulsómetros com sensor integrado têm um preço mais elevado que o resto

  • Medição constante. O bom de levar o pulsómetro integrado no relógio é que poderás realizar medições em qualquer momento, inclusive ao longo de todo o dia.

Para os desportos de inverno, nos quais o frio é um fator chave, as bandas continuarão a ser o recurso mais utilizado pois oferecem dados totalmente fiáveis neste tipo de condições atmosféricas.

Definitivamente, esta tecnologia está a crescer para centrar-se nas demandas dos usuários e oferecer a maior comodidade possível. Os pulsómetros sem banda foram um grande avanço no mundo do desporto, já que conhecer a frequência cardíaca com a que realizamos atividade física é de grande importância e com este tipo de gadgets podemos conhecê-la a qualquer momento da nossa vida diária. Deves ser tu quem avalie se preferes continuar com os modelos convencionais mais exatos ou, pelo contrário, escolhes a comodidade e compras um relógio desportivo com pulsómetro integrado.

Virgin Active
#AlwaysDiscovering

Comentários ()